//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

GUERRA E PAZ

Guerra e Paz

Ouvir a História

Locução: Alexandre Honrado

História em Língua Gestual

Ler a História

Não sei bem como explicar isto.
É como se cem mariposas quisessem crescer dentro do mesmo casulo: 
Não cabes aqui,
Chega-te para lá,
Este é o meu lugar.
E de repente andam todas à bulha e todas a pensar que têm razão.
É assim que começam as guerras. Uns de um lado, outros do outro, a primeira discussão leva à segunda discussão e de repente anda tudo aos tiros, há feridos pelo chão e mortos que nunca mais voltam para os seus amigos, as suas famílias, as suas formas de fazer a paz, que essa é o oposto da guerra e permite sempre coisas maravilhosas. 
A paz é como mariposas a saírem de casulos enchendo de cor os ares, assim a parecerem-se com flores a voar.
Na guerra, na guerra a sério, nada é como nos filmes e nas brincadeiras com armas a fingir.
A guerra, a zaragata, a pancadaria, o conflito, a agressão, a violência são coisas iguais entre si. São a vergonha dos seres humanos, são tiros nos sorrisos, são explosões de lágrimas.
Às vezes as pessoas são arrastadas para a guerra. Porque um chefe comandou para o lado errado, porque alguém mandou obedecer. Uma coisita qualquer e pronto, vira-se tudo ao contrário.
O mundo sempre teve guerras. Mas a coisa mais extraordinária é que também sempre teve paz que é a única forma extraordinária de acabar com as guerras.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vem Dançar e Cantar

Guerra e Paz

Guerra e Paz

Qual o valor da terra
Se dá flor para murchar
Qual o sabor da guerra
Quando a paz se ganha a matar

25 de Abril

Liberdade

A minha voz
Tem os sonhos a girar
A minha pele
É janela colorida

4estacoes terra

Qual?

Qual é a cor
Que trazes para mim
Será que tem princípio?
Será que tem fim?

09 o príncipe orelhudo ILU e1599498235273

Olha para mim

Olha para mim
Que estou aqui
P´ra te cantar
Sabes mesmo assim

O Policarpo

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

História com açucar nos dentes

Que docinho

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Não me chamem Bruxa

Ai isso é que é

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

A Velhinha Andarilha

Rodopia

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Bernardo

Saber-te

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Don`t copy text!