//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

HISTÓRIA PEQUENINA DE UM GRANDE ESPETÁCULO

Ouvir a História

Locução: Alexandre Honrado

História em Língua Gestual

Ler a História

Esta é a história pequenina de um grande espetáculo.
Agora passo muito tempo em casa.
A minha família passa muito tempo em casa.
As pessoas do meu país passam muito muito muito  tempo em casa.
O mundo está em casa.
Agora só assisto a grandes espetáculos. Já nem falo em saídas para ir ao Teatro, ao Cinema, ao Concerto.
Falo em espetáculos vistos aqui em casa. Grandes espetáculos.
O último que vi era de bailado, com duas bailarinas muito boas. Luísa e Amélia. Não sei as idades, mas a mais velha não chega aos dez e a mais nova não chega à mesa da sala.
Gostam de dançar. É isso que conta.
Têm fatos mesmo bons para dançar. Os sapatos é que às vezes fogem do pé e querem dançar sozinhos.
Luís vai à frente e Amélia vai atrás. Luísa roda. Amélia roda. Dão saltos e saltitos e parecem dois salpicos.
Dançam. A música ocupa a casa, a família, o país, o mundo.
E eu ali a ver o espetáculo, mas não estou lá, estou na minha casa.
Bato palmas. Bato palmas. Gosto mesmo de grandes espetáculos e gosto mesmo de bater palmas.
Luísa agradece, Amélia agradece. Talvez amanhã tenham novo espetáculo.
Acho que hoje vou sonhar com coisas belas.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Vem Dançar e Cantar

De cá para lá

De cá para lá
De lá para cá
Segue assim o mundo
Se eu não estou cá

A cor dos meus olhos

Não me tiram esta cor
Que tenho nos meus olhos
Se é assim o meu amor
Eu vejo com os meus olhos

Qualquer coisinha…

Qualquer coisinha
Me sabe tão bem
Cantar na cozinha
No banho também

Voltas que se dão

Voltas que se dão
Tantas voltas que se dão
Só para se ser feliz
Aquece o coração

Guerra e Paz

Guerra e Paz

Qual o valor da terra
Se dá flor para murchar
Qual o sabor da guerra
Quando a paz se ganha a matar

25 de Abril

Liberdade

A minha voz
Tem os sonhos a girar
A minha pele
É janela colorida

Qual?

Qual é a cor
Que trazes para mim
Será que tem princípio?
Será que tem fim?

Olha para mim

Olha para mim
Que estou aqui
P´ra te cantar
Sabes mesmo assim

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Don`t copy text!