//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

ESCURINHA DE SOL E OS SETE GIGANTES

Escurinha de Sol

Ouvir a História

Locução: Alexandre Honrado

História em Língua Gestual

Ler a História

Escurinha de Sol vivia com sete gigantes numa casinha engraçada. Os sete gigantes eram jogadores de basquete e Escurinha de Sol trabalhava que se fartava em teletrabalho, o que quer dizer que trabalhava em casa, a partir do computador.  Dava aulas à distância. E ainda cozinhava para todos porque os sete gigantes só sabia abrir latas de atum e mesmo assim com ajuda. Escurinha, dá aqui uma mãozinha. E por favor, coze um esparguete, coze um arroz, coze umas batatas, cose estas meias que eu rompi quando saltava para o cesto naquele jogo com os gigantes do norte.
Agora que passavam mais tempo em casa, Escurinha de Sol também dava aulas aos sete gigantes. Como cozinhar, como comer com bons modos à mesa, sim que eles às vezes pareciam sete trabalhões, como fazer a cama, varrer, limpar, e sobretudo como lavar as mãos. E com as mãos bem lavadas lavar a cara, o pescoço, as orelhas, o corpo todo até ao mais pequenino dos dedos do pé, o último a contar de quem vai daqui para ali ou de quem vem de lá para cá. A casinha engraçada estava a ficar cada vez mais engraçada, limpa e asseada. Repartiam tarefas, o que quer dizer que todos juntos faziam tudo para viverem melhor.
Nesta casa engraçada/ somos todos asseados/ com a cara bem lavada/ e os corpos bem lavados.
Um dia bateram à porta, truz truz. Sou eu o príncipe encantado, estou apaixonado. Quero ver a Escurinha de Sol.
Nem tentes, disse a Escurinha, e se me queres ver toma lá um retrato.
E meteu a foto por debaixo da porta.
Depois, pela janela, os sete gigantes atiraram sete pacotes aos príncipe:
São sabonetes. Lava bem as mãos e tem paciência. O príncipe foi para casa lavar-se e esperar. Mas esperou tão bem cheiroso que dava gosto cheirá-lo, se pudéssemos visitá-lo.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vem Dançar e Cantar

O Policarpo

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

História com açucar nos dentes

Que docinho

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Não me chamem Bruxa

Ai isso é que é

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

A Velhinha Andarilha

Rodopia

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Bernardo

Saber-te

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Escurinha de Sol

O lugar do amor

Qual o lugar
Do amor aprisionado
Vem devagar
Há um sol iluminado

Esta casa é minha

O que é meu, o que é teu

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

O Reino Distante

O Lugar das coisas

O lugar das coisas
Não é um lugar
Talvez seja o tempo
Que veio pra ficar

Contos que Cabem em Casa

Um dois três

Um dois três
Era uma vez
Uma andorinha
Um dois três

Don`t copy text!