//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

HISTÓRIA COM AÇÚCAR NOS DENTES

História com açucar nos dentes

Ouvir a História

Locução: Teresa Silva

História em Língua Gestual

Ler a História

Dentro de um açucareiro, quinze formigas conversavam e aproveitavam não só para almoçar como para escolher pedacinhos de açúcar, e até torrões maiores, para o jantar.
– Disse a Formiga Rabiga, que entrava sempre nas histórias, mas que agora está reformada, disse a Rabiga que comer açúcar faz mal aos dentes. E à saúde, de um modo geral.
– A Formiga Rabiga nunca teve dentes – disse a Formiga Alzira para a outra amiga.- E se faz mal à saúde, como é que ela chegou à idade a que chegou, com aquele aspeto tão saudável?
– É bem velhota? Quantos terá?
– Anos? Uma enormidade ou talvez o dobro.  Mas tem razão. O açúcar faz mal aos dentes e à saúde. À saúde de quem tem dentes e à saúde que quem os não tem.
– Vocês – disse a Formiga Tirolesa – não têm modos à mesa. Falam de boca cheia. E de coisas horríveis. Falem de coisas boas!
– Coisas doces – disse a Formiga Alzira.
– A Formiga Rabiga diz que os doces fazem mal à saúde e aos dentes, de um modo geral – disse a Formiga Hermengarda, que até costumava estar sempre calada.
– Não estou a gostar nada desta conversa. Como não tenho pressa de almoçar vou ali perguntar à vizinha lagarta como é que consegue ser vegetariana desde que nasceu. A quantidade de couves e outras coisas verdes que ela come! E é uma elegância, vista daqui para lá e olhada de lá para cá. Já volto, que até estou curiosa.
Disse, e foi.
– De caminho traz-me um bolinho – disse a Formiga Alzira, mas já ninguém a ouviu. A Tirolesa tinha-se ido embora e as outras estavam a almoçar.
– Que bem sabe o açúcar deste açucareiro – disse a Formiga Alzira e lambeu-se toda satisfeita.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vem Dançar e Cantar

O Policarpo

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

História com açucar nos dentes

Que docinho

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Não me chamem Bruxa

Ai isso é que é

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

A Velhinha Andarilha

Rodopia

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Bernardo

Saber-te

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Escurinha de Sol

O lugar do amor

Qual o lugar
Do amor aprisionado
Vem devagar
Há um sol iluminado

Esta casa é minha

O que é meu, o que é teu

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

O Reino Distante

O Lugar das coisas

O lugar das coisas
Não é um lugar
Talvez seja o tempo
Que veio pra ficar

Contos que Cabem em Casa

Um dois três

Um dois três
Era uma vez
Uma andorinha
Um dois três

Don`t copy text!