//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

METER MEDO AO SUSTO

Meter medo ao Susto

Ouvir a História

História em Língua Gestual

Ler a História

Nunca pensei que acontecesse uma coisa assim.
O mundo estava parado, para combater um vírus malvado e todos os monstros das histórias reuniram-se nas suas salas de estar e ligaram os seus computadores e falaram uns com os outros por TM, que é assim que se chama a Teleconferência de Monstros.
Falou o Monstro da Noite Escura de Por os Cabelos em Pé e só de vê-lo e ouvi-lo pelo computador, só de vê-lo no ecrã e escutá-lo pelas colunas de som, metia respeito: era feio e poderoso. Um verdadeiro monstro.
– Amiguinhas, amiguinhos, monstros antigos, recentes, jovens e bebés monstros, a hora é difícil. Nós somos monstros de história, não fazemos mal a ninguém, e agora temos um monstro à solta que quer dar cabo de nós.
Todos os outros monstros disseram, ah, pois é, ah pois é.
– A hora é tão difícil – continuou o Monstro da Noite Escura de Por os Cabelos em Pé – que até as monstruosas irmãs Mãos Sujas tiveram de lavar as mãos!
Todos os outros monstros disseram, ah, pois é, ah pois é. E olharam para as manas, que brilhavam de lavadinhas e perfumadas.
– Fomos ao banho – disse uma delas.
– Nem sabíamos bem o que era lavar as mãos!
Disse o Monstro do Tempo Perdido:
– Nem as reconhecia. Sem as mãos sujas parecem outras.
As manas sorriram.
O Monstro do Pó de Rodapé disse:
– Eu falo em meu nome e dos Monstros que às vezes dormem debaixo da cama: esse vírus tem de ser vencido.
Aplausos. E todos os outros monstros disseram, ah, pois é, ah pois é.
O Monstro da Noite Escura de Por os Cabelos em Pé disse assim:
– Não é só lavar as mãos. É lavar tudo, até atrás das orelhas. Até a roupa. Não tocar em nada que venha da rua, até passar umas horas num sítio isolado e ao ar. É descascar a fruta e cozinhar todos os alimentos. É pregar sustos ao vírus!
O Monstro de Fazer Medo no Escuro disse:
– É uma luta de todos nós contra o vírus. Ninguém pode ficar de fora, nem com a cabeça à janela ou a passear pelas cidades, a concentrar-se nos campos, a bronzear-se nas praias ao lado do farnel, do telefone a tocar música monstruosa, a bronzear cabeça, tronco e membros, se é que me faço entender.
O Monstro da Noite Escura de Por os Cabelos em Pé acabou a reunião:
– Fiquem em casa. Metam medo ao vírus. Vamos vencer.
Todos os outros monstros disseram, ah, pois é, ah pois é. E ficaram em casa, prontos a meter medo ao susto, perdão, ao vírus.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vem Dançar e Cantar

09 o príncipe orelhudo ILU e1599498235273

Olha para mim

Olha para mim
Que estou aqui
P´ra te cantar
Sabes mesmo assim

O Policarpo

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

História com açucar nos dentes

Que docinho

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Não me chamem Bruxa

Ai isso é que é

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

A Velhinha Andarilha

Rodopia

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Bernardo

Saber-te

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Escurinha de Sol

O lugar do amor

Qual o lugar
Do amor aprisionado
Vem devagar
Há um sol iluminado

Esta casa é minha

O que é meu, o que é teu

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

O Reino Distante

O Lugar das coisas

O lugar das coisas
Não é um lugar
Talvez seja o tempo
Que veio pra ficar

Don`t copy text!