//Replace read more link text $(".et_pb_post a.more-link").html(function () { return $(this).html().replace('read more', 'Continue Reading'); });

NINGUÉM À JANELA

Ninguém à janela

Ouvir a História

Locução: Alexandre Honrado

História em Língua Gestual

Ler a História

Fui ali agora mesmo e já voltei.

Fui ali agora mesmo, à janela – e não estava lá ninguém

Digo eu… Não estava ninguém à janela na janela, não estava ninguém à janela, e não estava ninguém lá fora, na rua. Não estava mesmo ninguém, nem janela do outro lado da rua. Não estava ninguém a passear com alguém. Portanto não havia ninguém. E também não estava ninguém nos telhados, a reparar as telhas, a contar antenas de televisão, dessas antigas que parecem picos de ouriço nem das outras, redondas, brancas, que parecem barrigas de morsa, barrigas de urso polar ou  barrigões de elefante. Ou barrigões de baleia, que são mais brancas que os elefantes.

Eu nunca vi um elefante branco.

Também não estava ninguém à procura de gaivotas.

Estava um pombo, mas mal me viu foi-se embora, até porque, se ficasse a conversar comigo esta história já tinha alguém. Era eu, que ficava ali, à janela, e não voltava para dentro para contar o que contei.

Alexandre Honrado

Comentários

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vem Dançar e Cantar

09 o príncipe orelhudo ILU e1599498235273

Olha para mim

Olha para mim
Que estou aqui
P´ra te cantar
Sabes mesmo assim

O Policarpo

Dar a volta ao mundo

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Ninguém à janela

Quando olho para ti

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

História com açucar nos dentes

Que docinho

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Não me chamem Bruxa

Ai isso é que é

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

A Velhinha Andarilha

Rodopia

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Bernardo

Saber-te

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

Escurinha de Sol

O lugar do amor

Qual o lugar
Do amor aprisionado
Vem devagar
Há um sol iluminado

Esta casa é minha

O que é meu, o que é teu

O que é meu
O que é teu
Já não sei
Não sei bem

O Reino Distante

O Lugar das coisas

O lugar das coisas
Não é um lugar
Talvez seja o tempo
Que veio pra ficar

Don`t copy text!